contador de acessos
Quarta, 22 de novembro de 201722/11/2017
67 999069758
Nublado
21º
21º
28º
Maracaju - MS
Erro ao processar!
Hostinger hospedagem de sites 728 x 90
SAÚDE
Médicos reduzem atendimento e reunião busca solução para Santa Casa
Greve, problema recorrente na Santa Casa de Campo Grande ultimamente. Desta vez são os médicos da instituição que reduziram as atividades em 30%
Fabrício Vieira Teresina - PI
Postada em 13/06/2017 ás 22h09 - atualizada em 13/06/2017 ás 22h13
Médicos reduzem atendimento e reunião busca solução para Santa Casa

Direção da Santa Casa promete mostrar realidade financeira nesta terça-feira em reunião com sindicatos no MPT/MS (Foto: Arquivo)

Greve, problema recorrente na Santa Casa de Campo Grande ultimamente. Desta vez são os médicos da instituição que reduziram as atividades em 30% para reclamar atrasos salariais e o não pagamento de horas extras, e a instituição vai aproveitar uma reunião marcada para as 14 horas, na Procuradoria do MPT/MS (Ministério Público do Trabalho) para apresentar realidade financeira e a situação das negociações do contrato com a prefeitura.


A reunião entre a direção da Santa Casa e representantes da Secretaria Municipal de Saúde, dos sindicatos dos médicos e dos enfermeiros, terá mediação do Procurador do MPT/MS, Paulo Douglas Almeida de Moraes, que nesta última segunda-feira, 12, protocolou pedido na 3ª Vara do Trabalho para pagamento imediato de salários, como forma de evitar a greve. Na Santa Casa, são 250 médicos contratados pelo regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e 400 médicos autônomos.


No requerimento, o procurador informa que 70% dos atendimentos ambulatoriais e das cirurgias eletivas são realizados por médicos autônomos e celetistas, bem como 30% dos atendimentos de urgência e emergência. “Estamos diante de uma considerável inviabilização da prestação de serviços de saúde pública local”, alertou.


Ouvido, o presidente do Siems (Sindicato dos Trabalhadores em Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Lázaro Santana, disse que o impasse entre a Santa Casa e a prefeitura para a reforma do contrato anual tem sido o fator gerador dos problemas de atraso de salários a cada mês, como uma espécie de “bola de neve”.


“Os constantes atrasos de salários são decorrentes da questão do contrato com a prefeitura. Desde o ano passado o contrato tem sido apenas renovado com base em termos aditivos, e isso resolve apenas questões pontuais, resolve impasses daquele mês, e no mês seguinte começa tudo de novo”, disse Lázaro Santana, presidente do Siems (Sindicato dos Trabalhadores em Enfermagem de Mato Grosso do Sul).


Santana lembrou que o setor de enfermagem da Santa Casa fizeram duas greves nos últimos dois meses por atraso de salário. “Fizemos uma paralisação em maio e paramos na última terça-feira. Agora nossos salários estão em dia, mas por conta dessa indefinição contratual com a prefeitura, e a questão do repasse, não sabemos como será no mês que vem”, ressaltou.

FONTE: CG News
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

Publicidade

Facebook

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
61 votos - 43.6%

Tiririca
40 votos - 28.6%

Lula
22 votos - 15.7%

Ciro Gomes
17 votos - 12.1%

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium