contador de visitantes
Sábado, 23 de setembro de 201723/9/2017
67 981813406
Muito nublado
19º
27º
34º
Maracaju - MS
dólar R$ 3,12
euro R$ 3,73
POLÍTICA
STF retira de Moro parte da delação da JBS que cita Mantega e Lula.
Defesa do ex-ministro comemorou a decisão.
Alessandro Pereira Dias Maracaju - MS
Postada em 16/08/2017 ás 15h16 - atualizada em 16/08/2017 ás 20h16
STF retira de Moro parte da delação da JBS que cita Mantega e Lula.

Foto: Divulgação.

Em recurso à Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal), a defesa do ex-ministro Guido Mantega reverteu uma decisão do ministro Edson Fachin de enviar para o juiz Sergio Moro, de Curitiba, uma parte da delação da JBS que aponta irregularidades no BNDES e em fundos de pensãoA decisão, desta terça (15), foi estendida também a partes da delação da JBS que citavam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


O advogado de Mantega, Fábio Tofic, recorreu da decisão de Fachin de remeter trechos da delação da JBS, fechada com a PGR (Procuradoria-Geral da República), para a Justiça Federal em Curitiba e no Distrito Federal.


Tofic argumentou que, se a intenção do ministro era apenas remeter o conteúdo da delação para a primeira instância sem analisá-lo em profundidade, o caso deveria ir somente para a Justiça Federal em Brasília, que é o local onde teriam ocorrido as irregularidades delatadas.Ainda segundo o advogado, já existem em Brasília investigações sobre o BNDES e fundos de pensão, e esses assuntos não têm ligação com a Petrobras e com a Lava Jato para que fossem enviados a Curitiba.


Fachin negou o pedido do advogado e foi acompanhado pelo ministro Ricardo Lewandowski.


Em seguida, Gilmar Mendes, que chegou no final da sessão, divergiu de Fachin e votou a favor do recurso. O ministro Celso de Mello acompanhou Mendes na divergência. Por fim, Lewandowski disse que os argumentos dos colegas o haviam convencido a mudar de opinião.


Foram três votos para que trechos da delação da JBS sobre Mantega e Lula ficassem só em Brasília contra um para que fossem também para Curitiba.


Ao final da sessão, o advogado de Mantega comemorou. "Essa é uma decisão na direção de que Curitiba não é o juízo universal para investigar corrupção no país", disse Tofic.


Advogados que estavam no plenário brincaram, dizendo que evitar a remessa para Curitiba é "quase um habeas corpus", como disse um deles.


Sistema Gerenciamento de Sindicato

FONTE: FolhaPress
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

Publicidade

Facebook

Publicidade

Publicidade

Mais lidas do mês

Publicidade

Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
55 votos - 47.8%

Tiririca
26 votos - 22.6%

Lula
18 votos - 15.7%

Ciro Gomes
16 votos - 13.9%

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium