contador de acessos
Sexta, 19 de janeiro de 201819/1/2018
67 999069758
Nublado
21º
23º
28º
Maracaju - MS
Erro ao processar!
BRASIL
Cronologia: da espionagem ao Golpe de Estado no Brasil.
Apontamos uma cronologia resumida do golpe para uma visão em perspectiva dos acontecimentos.
Alessandro Pereira Dias Maracaju - MS
Postada em 25/10/2017 ás 19h49
Cronologia: da espionagem ao Golpe de Estado no Brasil.

Foto Internet

Resumo do golpe até abaixo:


Passados alguns anos do início do golpe, até hoje, e com o aumento diário da crise, que pode levar a um novo golpe militar.


2012




  • Explode o maior esquema de espionagem do governo dos EUA no mundo, revelado por Edward Snowden. O Brasil é um dos principais países espionados; na época o governo era de Dilma. Os efeitos de uma espionagem desse porte podem ser não só relacionados ao mercado, mas políticos.

  • Mensalão vem perdendo força, apesar de toda a balbúrdia da imprensa. Somente um partido anunciava que estava sendo armado um Golpe de Estado: o PCO.


2013




  • Após protesto pelo aumento da passagem, no dia 13 de junho, arrebenta as manifestações por conta da agressão da polícia aos atos. A Av. Paulista é interditada pela Polícia e a tropa de choque; milhares são presos. A imprensa, em um primeiro momento, ataca as manifestações, mas logo depois, com o apoio da população aos manifestantes, muda o ângulo e começa a apoiá-la.

  • 17 de junho: o número de manifestantes é espantoso em todos os Estados. Os meios de comunicação, desesperados, usam de todo seu poder e mudam a pauta para palavras de ordem genéricas, mirando o governo Dilma nos jornais, rádios, revistas e TVs. Começam as primeiras agressões dos coxinhas e fascistas contra a esquerda.

  • 21 de junho: a polícia se infiltra nas manifestações sem o uniforme e com os coxinhas hostiliza e tenta fazer os partidos que estavam na manifestação desde o início baixarem suas bandeiras. A FIESP incita o público contra o governo do PT com a bandeira do Brasil na iluminação de sua fachada. Somente o PCO reage e não baixa as bandeiras; os demais partidos de esquerda se espantam e não conseguem avaliar a situação. Começa a polarização no Brasil.


2014




  • A direita golpista pressiona o governo Dilma a adotar sua pauta econômica e o governo cede em alguns pontos. O PT não combate, e a direita pressiona cada vez mais. É inaugurada a Operação Lava Jato.

  • Nos últimos meses do ano, a direita, unida na campanha de Aécio Neves, começa o ataque total contra Dilma nas eleições, desestabilizando seu governo. A revista VEJA publica uma capa, na véspera, incriminando Dilma e Lula sem provas. Dilma ganha o 2º mandato. No mesmo dia, Reinaldo Azevedo, colunista da VEJA, da Folha e porta-voz da direita, promete derrubá-la com um impeachment.


2015




  • Dilma cede para a direita e coloca Joaquim Levy no Ministério da Fazenda, no lugar de Guido Mantega. Mesmo assim o governo é atacado diariamente pela imprensa; vários ministros de Dilma caem. O governo está cercado e diversas forças políticas pressionam para o ajuste fiscal. Apesar de o PT ceder em alguns pontos, é muito aquém do que a direita, o capital estrangeiro e os empresários brasileiros gostariam. Os ataques para derrubar o governo aumentam, dirigentes petistas são presos sem provas.


2016




  • O PMDB entra de vez no golpe de Estado com o PSDB e forças do capital nacional e estrangeiro. Sergio Moro, juiz da Lava Jato, vaza áudios para a imprensa de conversas de Lula e Dilma; a ação é ilegal, e mesmo sem nenhum conteúdo comprometedor ajuda a dar força ao golpe. O PT não reage de forma firme.

  • Dilma é afastada em maio, acusada de “pedaladas” fiscais, prática comum em vários governos e que nunca foi considerada crime. Os golpistas se articulam para derrubá-la de vez.

  • Em agosto, a presidente é afastada definitivamente do cargo, e os votos do povo são rasgados.

  • O conspirador Michel Temer, vice de Dilma, toma posse. Começam os ataques aos trabalhadores e à população no geral.

  • Lula vira o principal alvo da Lava Jato.


2017




  •  O governo Temer começa as reformas da CLT, amplia a terceirização, precarizando ainda mais a vida do trabalhador. Ele também faz cortes na saúde e na educação e começa com uma onda de privatizações ainda maior que no governo FHC. Somado a isso, começam os ataques aos sindicatos, bastiões da luta dos trabalhadores.

  • A reforma da previdência, mãe de todas as reformas, trava no parlamento.

  • A direita se irrita; apesar de todas as maldades o golpista Temer não consegue ser eficiente e rápido como a direita e o imperialismo gostariam.

  • Começa o ataque ao seu governo pela rede Globo e a luta de duas alas golpistas, uma mais nacionalista e outra pró-imperialista.

  • A extrema direita cresce, Bolsonaro aparece em 2º lugar nas pesquisas para as eleições.

  • Lula, mesmo condenado na Lava Jato, cresce extraordinariamente e dispara nas pesquisas, aparecendo em primeiro lugar, longe dos demais candidatos. O povo entende o que é a Lava Jato e o golpe. A polarização volta a crescer.

  • O exército, que estava oculto no golpe, aparece na figura de Mourão, e o país é ameaçado com um golpe militar.

  • A notícia de que o impeachment foi comprado é abafada pela imprensa; o golpe fica mais escancarado do que nunca.

FONTE: Netnews
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
109

Publicidade

Como conquistar o hoemen dos seus sonhos
Facebook

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
61 votos - 38.9%

Tiririca
41 votos - 26.1%

Ciro Gomes
28 votos - 17.8%

Lula
27 votos - 17.2%

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium